Um dia na vida de um cachorro preso no quintal.

07

 

Um dia na vida de um cachorro preso no quintal.

6:00 da manhã
Eu consigo ver e ouvir as pessoas se movimentando dentro da casa, mas ninguém vem me ver. Eles estão rindo e conversando; eu gostaria muito de estar com eles.

6:30 da manhã
Estou com fome e com sede. Eu derrubei meus potnhos de comida e água ontem à noite quando me enrosquei na minha coleira.

6:45 da manhã A coleira está muito apertada e está machucando meu pescoço.

8:15 da manhã
As pessoas que moram na casa estão saindo. Eu tento correr até eles com meu rabo balançando, esperando que olhem para mim, mas minha coleira me puxa de volta para trás e eu caio no chão. É inútil.

8:15 da manhã – 2:00 da tarde
Eu não tenho certeza do que eu devo fazer. Não posso proteger a casa preso em minha coleira. Não tenho nenhum brinquedo para brincar, e nenhum outro cachorro para me fazer companhia. Talvez se eu latir alguém me mostre o que fazer ou venha brincar comigo – então resolvo latir o dia todo.

2:30 da tarde
Um oficial de proteção aos animais chega e deixa uma notificação na porta da casa. Ele olha para mim com pena. Será que pareço estar mal? Sei que estou sujo, mas é difícil permanecer limpo quando se está sempre em cima da sujeira. Eu ando em círculo, rosno e lato para ele porque não sei mais o que fazer. Eu faço o mesmo para outras pessoas que passam perto do quintal também.

3:15 da tarde
A menor pessoa da casa voltou. Talvez ele vá brincar comigo! Mas não. Eu vou ao banheiro no mesmo lugar de sempre, a poucos metros do meu abrigo.

5:30 da tarde
O resto das pessoas estão em casa. Uma delas retira a notificação que o oficial de proteção aos animais deixou e grita comigo para que eu pare de latir. Eu ando para frente e para trás, confuso.

6:00 da tarde
Sinto cheiro de comida de dentro da casa. Ainda estou faminto e com sede.

7:00 da noite
Uma das pessoas sai da casa para me ver. Ele enche meus potinhos de comida e de água e eu fico tão feliz que pulo alegremente, espalhando tudo e sujando a roupa dele. Ele me dá uma bronca e diz que este meu comportamento é uma das razões porque não permitem que eu viva na casa com ele.

8:00 da noite
Mais uma noite sozinho. Eu sonho que estou preso a uma coleira, porque isso é tudo o que conheço.

 

08